segunda-feira, 27 de junho de 2011

EXCEÇÃO

SEJA MEU NO INTERSTÍCIO DE UM HIATO. ENTRE DOIS TEMPOS E AS SUAS SUBSEQUÊNCIAS.
ACEITA A TRANSGRESSÃO DE CHEGAR ATÉ LÁ. ONDE POSSA TE FALAR NA MINHA LINGUAGEM. E A EXPRESSÃO SERÁ A QUE EU BUSCAVA, TALVEZ UM RECUO DE ESPANTO. SABEREMOS? VEREI SEU CORPO.
NÃO ME BEIJE. NÃO ME AME.
NÃO É GRAÇA NEM É À TOA QUE VAI AMANSAR, ACOLCHOAR AS ARESTAS DA LANÇA EMPETRADA DAS CONSAGRAÇÕES. SUPERE A REGRA E VIVA A EXCEÇÃO.

“A FRESTA QUE SE ABRIU EXTRAORDINARIAMNTE E QUE ME PERMITIU, NOS DESVÃOS DAS COINCIDÊNCIAS, EXISTIR”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário